RÁDIO LUMMUS
Vaduz, setembro de 2022


Entrevista com o Vampiro
com Tyler Han


    || VINHETA DO PROGRAMA SEGUIDA DE PALMAS AO FUNDO QUE VÃO CESSANDO ATÉ QUE O ÚNICO SOM PRESENTE FOSSE A VOZ DO NARRADOR ||


    — Muuuuuuuuuuito boa noite meus amados morceguinhos que estão grudados na Rádio Lummus até essa hora da noite! Tudo bem com vocês? Sentiram minha falta? Pois eu senti a de todos e então estamos aqui para mais uma edição do meu, do seu, do nosso... Entrevista com o Vampiro! Sons de aplausos ao fundo. Hoje teremos como convidado uma celebridade que, além de ser sucesso entre os mais diversos tipos de seres mágicos, também bomba nas paradas trouxas com seu carisma, talento vocal e atuação! Sim, estamos falando dele mesmo! Ele que é ator, cantor, dançarino, CEO de sua própria empresa de entretenimento e artilheiro do Montrose Magpies! Hyo Kyo Han! Mais sons de aplausos no fundo. Seja bem vindo, Kyo! Como está se sentindo essa noite? Consegue sobreviver tranquilamente sendo tudo isso todos os dias? Eu quase fiquei sem fôlego te anunciando... Breve risada do apresentador.

    — Annyeonghaseyo yeorobun~ boa noite a todos os ouvintes! — Som de uma exclamação longa de quem parece desfrutando e recebendo os elogios de braços abertos. — Uwaa~! É um imenso prazer poder encontrar você e dar um pequeno presente para meus fãs de bônus! Meu método de aguentar tanta coisa não é segredo pra ninguém, convenhamos que eu sou um deus coreano, eu desafio as leis da natureza. — Sons de risada nasal abafada.

    — Imaginamos que divindades devam ter uma agenda bem complicada... — O sarcasmo no tom do apresentador é palpável, mas o tom logo recupera a animação e sinceridade de antes. O que não impede o som de um limpar de garganta do convidado, conhecido por seus fãs como característico dele quando está fuzilando alguém com o olhar. — Agradecemos bastante por ter conseguido esse tempinho para nós! Sinta-se a vontade. Agora, vocês aí de casa, não percam tempo e corram para os telefones! Vamos entrar em nossa costumeira pausa musical para que tanto eu quanto Kyo possamos molhar a garganta... Com água, é claro... E, em seguida, atenderemos o nosso primeiro ouvinte curioso... E, bem... Esse ouvinte pode ser você! Está esperando o quê? Ah! Acho que já sei... — Dá para sentir o sorriso nos lábios do apresentador através de seu tom de voz. As batidas da música começa a soar, se tornando mais alta cadencialmente. — Os deixarei na companhia da melodiosa voz de nosso convidado em Monalisa, seu trabalho de estreia com o grupo FIVErse... — A voz do locutor vai dando lugar apenas às batidas até que a música se torne o único som.



    || TEMPO DOS PATROCINADORES SEGUIDO DA VINHETA DE RETORNO DO PROGRAMA E DAS PALMAS DE FUNDO ||


    — Sabe? Uma das coisas que mais me surpreende no Liminha é a facilidade com que ele consegue misturar as músicas que teoricamente deveriam ter o mesmo conceito e transformar tudo numa grande salada de frutas... Mas... Sinceramente? Já desisti dele. Enfim... — Suspiro. — Beeeeeeeeeem vindos de volta meus caros ouvintes! Curtiram a seleção absurdamente aleatória de músicas que preparamos para você? Aposto que sim, não é? Pois bem... Agora vamos ao que interessa! Está pronto para as perguntas, Kyo? Porque parece que temos nosso primeiro ouvinte na linha...

    — Liminha fez um bom trabalho nas músicas com inspiração latina. Critica ele não, pobrezinho! — O comentário ao fundo foi misturado ao tom quase sorridente do jovem cantor. — Eu nasci pronto!

    — Pois bem, se nasceu pronto vamos começar então... Boooa noite, com que falo?

    Ouvinte 1: Boa noite! — A voz é masculina e bastante jovem. — Você teria interesse em posar nu com sua vassoura?

    — Okaaaaaaay... Já começamos com perguntas estranhas... Mas... Então... Qual a resposta, Kyo?

    O som de alguém engasgando deixou claro que Kyo parecia realmente desconfortável com a imagem mental produzida pela pergunta. — Bom... é uma pergunta bem... ousada. Eu acredito que parte da sensualidade é gerar um pouco de mistério, posar nu em uma vassoura não valorizaria isso em mim como deve. O único motivo para o qual eu tiraria minha roupa toda na frente de uma câmera é se houver um outro projeto de cinema interessante como foi no filme "Um ator é um ator". Lembrando que é um filme somente para maiores de dezoito anos, então nada de assistirem às escondidas!

    — Você sabe que dizer isso a um adolescente é o mesmo que mandar ele ir atrás do filme agora mesmo sem se importar com as consequências, certo? — A risada do apresentador é discreta, porém notória. — Mas como esse é o programa noturno não dedicado aos de idade baixa, não teremos com o que nos preocuparmos já que adolescentes não deveriam sequer estar escutando esse programa, certo? — Pigarro. — Pois bem... Vamos para o próximo ouvinte?

    — Nunca se sabe... achei que a voz poderia parecer de um adolescente assistindo escondido e que precisava ser repreendido! — O ar de riso nasal misturado ao de nervoso surgiu por alguns momentos por parte do Kyo. — Tudo bem, imagino que... podemos continuar? Pra perguntas menos indiscretas, espero...

    — Todos esperamos... — Risada nervosa. — Mas infelizmente, pela minha experiência, devo lhe informar que a tendência é piorar, Kyo... Sinto muito... Mas enfim... Próximo ouvinte, boa noite! Com quem falo?

    Ouvinte 2: Boa noite! Fala com Sarah Maison!

    — Bem vinda, Sarah! Pode se sentir à vontade para fazer sua pergunta ao nosso convidado!

    Ouvinte 2: Como você consegue gerenciar tantas funções na sua vida?

    — Excelente pergunta! Acho que todos queremos saber...

    Ouvinte 2: Eu estou pirando com a banda e o departamento! Não seria capaz… — Risada da ouvinte.

    — Espera! Estamos falando com Sarah Maison da banda Ornitorrincos Psicodélicos?

    Ouvinte 2: Isso mesmo!

    — Perfeito! Seja bem vinda novamente, Sarah! E já sinta-se convidada para ser entrevistada aqui qualquer dia desses também! Mas, enfim... Então, Kyo? O que tem a dizer para nossa amiga Sarah aqui?

    Kyo deixou um som de quem pensava se prolongar por alguns segundos enquanto parecia realmente refletindo sobre aquilo.

    — Bom, primeiro... boa noite, Sarah! É bom ouvir a voz de uma companheira musicista! — Kyo pareceu mais ponderado e calmo enquanto respondia, pelo tom de sua voz — Em primeiro lugar eu tenho uma agenda bem organizada e eu cumpro cada segundo de maneira equilibrada sem me cobrar tanto. Eu durmo pouco naturalmente e me acostumei com essa rotina quando era criança, então isso pode ajudar também. Faço exercícios e tomo banho logo pela manhã pra que meu cérebro já fique mais ativo e possa acompanhar o ritmo. Como eu mesmo sou meu chefe na empresa, consigo escolher quais são os focos de cada momento e negociar melhor minha agenda com os diretores e produtores, diferente dos treinos de quadribol. O horário da manhã é quase sempre dedicado aos meus aperfeiçoamentos físicos, como de coreografias ou aptidões específicas como lançamentos. Pela tarde eu tendo a me focar mais em atividades que envolvam equilíbrio entre o intelecto e o corpo, como canto e instrumentos ou reflexos de jogo. De noite é quase sempre meu melhor momento para realmente raciocinar sobre as atividades da empresa, então sempre encontro o e-mail cheio quando chego em casa para analisar um por um. Os finais de semana eu tento revezar entre os descansos, as avaliações dos nossos artistas e produtos, gravações e afins sempre que possível. Nunca são horários completamente fixos, é claro, mas é um racional que ajudou meu corpo a ficar condicionado a aguentar. Eu amo demais o que faço, então na maioria das vezes me sinto praticando meus hobbies e não realmente trabalhando... mesmo que não negue ser exaustivo em alguns momentos. E eu tenho o apoio de muitos profissionais habilidosos colaborando para a HK estar onde está, e companheiros de time que me auxiliam a melhorar, vale ressaltar!

    — Ah, por falar nesse assunto, soubemos de seu anúncio no show que aconteceu na feira do Beco Diagonal... É verdade que pretende dar um tempo de sua carreira como cantor? Se sim... Qual o motivo? Poderia dividi-lo conosco e com os ouvintes?

    Um longo suspiro surgiu naquele momento, com Kyo batucando um pouco na mesa. — Eu amo cantar mais do que tudo, mas eu acho que minha carreira como ator precisa de um pouco mais de atenção no momento. Preciso me dedicar um pouco a organizar os projetos que realmente valerão a pena mergulhar de cabeça. Além disso, gosto sempre de acompanhar a evolução dos nossos artistas, como no momento eles ainda são crus sobre o mercado, quero desenvolvê-los para que sejam tigres asiáticos e devorem a mídia por conta própria nos próximos anos. Quando tiver certeza de que meus artistas compreendem o coração dos fãs e as músicas que melhor destacarão suas cores, posso retornar a me focar na minha própria carreira como músico, quem sabe? — Sua voz deixou escapar um tom levemente misterioso, antes de rir nasal mais relaxado enquanto abordava o tema.

    — Bacana, bacana... Deve ser interessante trabalhar para uma empresa cujo CEO se mostra tão dedicado... Parabéns pela atitude. Opa! Parece que temos mais um ouvinte na linha! Boa noite! Com quem eu falo?

    Ouvinte 3: Oi! Boa noite! — A voz é feminina e suave. — Kyo, eu gostaria de saber como começou você começou sua carreira...

    — Olha... Tem que ser um pouco mais específica... Tem mil carreiras aí envolvidas ... Qual exatamente?

    Ouvinte 3: Ah, sorry! A de empresário!

    — Bom, tendo esclarecido esse detalhe… A bola é sua, Kyo! Conte para nós sobre seu início como empresário!

    — Muito bem... minha carreira de empresário começou quando eu decidi que desejava seguir uma carreira solo. Eu discordava de algumas decisões e opiniões da minha empresa antiga, então decidi comprar meu próprio contrato com o acordo comum de que o período restante seria comigo servindo o exército, cumprindo a obrigação de todo homem coreano. Durante o período em que esperava minha entrada no exército, contratei o Higashi, um dos produtores que eu mais respeitava, para me ajudar a estabelecer a HK Entertainment oficialmente e iniciar a companhia. A intenção inicial era ser uma agência de um homem só, mas durante o período no exército meu interesse em outros grupos surgiu, notei que eu tinha um bom olho pra quem "daria certo" no mercado do entretenimento coreano. Acho que minha experiência pessoal com fãs de múltiplas nacionalidades também ajudou a encontrar essa fórmula.

    — Há rumores por aí de que sua partida para carreira solo se deu depois de um desentendimento com um membro específico de seu antigo grupo... Poderia nos falar um pouco mais sobre o caso?

    O silêncio tomou conta da rádio por alguns segundos.

    — Creio que desentendimentos em grupos são comuns, em especial por serem pessoas de convivências diferentes sendo colocadas para conviver 24 horas por dia. Não posso dizer que tínhamos uma relação perfeita no grupo e sempre tivemos nossos conflitos por opiniões diferentes, mas muitas pessoas gostam de aumentar rumores. Como seguimos caminhos diferentes, é normal não termos mais proximidade, mas não houve nada tão sério quanto o que dizem. — Um riso levemente nervoso surgiu enquanto o ator tentava aliviar um pouco o assunto. — Já chegaram a publicar rumores que eu sofria bullying do grupo ou que eu agredi outro integrante, ou que eu era arrogante só por ser "o centro" do grupo e traí a confiança dos fãs. São rumores e não a realidade. Nossa situação foi toda diplomática e dialogada. Eu discordava de algumas opiniões alheias e outros discordavam das minhas, a empresa era uma terceira opinião que tinha decisões que entravam em conflito com nossos objetivos, mas os outros integrantes conseguiam conviver melhor com elas do que eu. Eu sempre desejei o melhor para eles. Eu continuo em contato com dois integrantes, enquanto os outros dois... bom, apenas é normal termos nossas diferenças sem assuntos em comum para continuar com algum vínculo que não seja o passado em comum, mas não guardo nenhum tipo de rancor.

    — É muito bom saber que os rumores não passam disso que são mesmo: apenas rumores. Ficamos felizes que a relação entre vocês não tenha sido exatamente abalada apesar das diferenças de cada um... Mas, aproveitando o assunto, em nome das fãs mais antigas que te acompanham desde a época do FIVErse... Há alguma possibilidade do grupo se juntar novamente pelo menos para uma nova música ou um show beneficente?

    — Se a oportunidade surgir e os cinco integrantes concordarem em um álbum que possa concluir nossa trajetória, é um projeto que eu abraçaria com muito carinho. Um show beneficente sempre seria uma opção agradável também.

    — Olha só, fãs do FIVErse! Não soltem esse fio de esperança! — Sons de aplausos ao fundo. — E, já que estamos falando agora sobre o seu início de carreira solo, nada mais justo que recomeçarmos com a música que te lançou nessa nova jornada, certo? Não nos abandonem e continuem a nos ligar como estão fazendo! O programa apenas começou, queridos morceguinhos... Apenas começou... A voz do locutor vai sumindo, dando lugar às batidas iniciais da música.



    || TEMPO DOS PATROCINADORES SEGUIDO DA VINHETA DE RETORNO DO PROGRAMA E DAS PALMAS DE FUNDO ||


    — Estamos de volta com mais um bloco do Entrevista com o Vampiro! Eu sou Tyler Han, seu vampiro entrevistador e estamos aqui com Kyo Han, nosso humano entrevistado... Mas então, Kyo... Que belo tiro você toma no clipe da última música que o Liminha escolheu para essa rodada, hein? Por que você sempre é corno, morre ou as duas coisas quando vai interpretar? É alguma tara sua?

    Sons ao fundo de Kyo terminando de beber água e fechar a garrafinha enquanto Tyler falava.

    — Porque o conceito do grupo era um misto de sexy com corno e eu era o melhor ator, pagava o pato. Você chegou a ver alguma apresentação, em que eu virava o branco dos meus olhos na hora de cair e "morrer"? Então... vou admitir que foram atuações interessantes de fazer pra mostrar um lado mais dramático. Me ajudou quando fui interpretar a morte do meu personagem... opa, spoilers! — Deixou propositalmente um pequeno riso surgir em sua voz antes mesmo de anunciar que interromperia a frase por ser um spoiler, numa pequena provocação ao público.

    — Opa! Então podemos esperar um filme novo com você morrendo em breve? Porque, olha... Sejamos francos... O fato de seu personagem acabar morto não é spoiler pra ninguém. Se no fim ele ficar vivo é que seria uma grande reviravolta... — Som de risos ao fundo.

    Kyo estralou a língua audivelmente perto do microfone, dando um ar mais cômico pra situação. Alguns talvez lembrariam do tom de voz seguinte como o de um de seus personagens mais icônicos como um psicopata, quando era acusado de "estar preso... por ser bonito demais".

    — Culpado. — Seu sorriso ficou então mais audível em sua voz. — Ainda estou olhando os novos projetos, mas prometo tentar escolher um que eu não morra ou quase, dessa vez. É difícil resistir à tentação, confesso.

    — Pois bem, pois bem... Estamos felizes em ouvir isso, pode ter certeza. Mas, agora... Vamos aos nossos ouvintes porque os telefones não param de tocar aqui! Boa noite, com quem falo?

    Ouvinte 4: Boa noite… Aqui é a Lizzie… Eu queria saber o motivo de você ter escolhido participar de um time de quadribol quando claramente você serve para ser líder de torcida e não manter-se em cima de uma vassoura sem virar o alvo de balaços! E complementando... por que você fica sempre gritando em meio aos jogos, tem alguma coisa na sua vassoura que te cutuca ou algo assim? Você me deixa surda mesmo longe, satanás!

    — Eita que essa vai dar o que falar... A vez é sua, Kyo...

    — YAH! LIZZIE! Ignorem ela, pessoal, essa diaba é uma valentona querendo provocar as pessoas só porque tem a delicadeza de um mamute. — Um pequeno riso nervoso surgiu. — Brincadeiras à parte, a Lizzie é uma boa amiga e parceira de equipe. Por favor, não a levem a sério ou ataquem. Sei que meus fãs tendem a ser superprotetores comigo, mas... E EU NEM GRITO TANTO, MINHA VOZ SÓ É NATURALMENTE ALTA, MAIS AINDA QUANDO O POVO ME FRUSTRA. — Quem ouvia podia notar que o cantor afastou-se do microfone pra poder gritar em provocação, fazendo graça.

    — Okay... Péssimo momento pra se ter super audição vampírica... Enfim... Até que a brincadeira feita por ela é pertinente... A carreira como jogador de quadribol não parece ser muito comum de ser compartilhada com a de um idol... Como começou sua carreira de jogador e por que escolheu mais essa profissão para sim, hum?

    — Muitos que acompanharam minha carreira devem saber que eu mudei muito de escola por causa do ideal da minha família de criar um filho poliglota, independente e capaz de dialogar com o exterior. Quando estudei em Mahoutokoro, acabei me destacando bastante como artilheiro. Sentia falta desses momentos de glória e acabei me interessando quando surgiu uma oportunidade no Montrose. Algo como se o destino me chamasse?

    — Entendo perfeitamente... Acho que a maioria dos jogadores profissionais sentem esse chamado vindo dos campos... Acho interessante de se acompanhar, ainda que não jogue muito. Foi, inclusive, muito interessante jogar no mesmo time que você no amistoso dois anos atrás... Ainda me pergunto o que eu estava fazendo lá, mas... O importante é que nosso time venceu no fim. — Uma leve risada por parte do entrevistador se faz presente. — Nostalgias à parte, vamos para nosso próximo ouvinte que já está impaciente na linha... Booooooa noite, com quem falo?

    Ouvinte 5: Oh, Kyo, Boa noite! Se a brincadeira da Lizzie é tão brincadeira assim, por qual motivo você acabou ficando na lanterna da corrida de vassouras que aconteceu no Beco Diagonal e ela ganhou o primeiro lugar? Tem certeza que não é incompetência sua mesmo não?

    — Nossa... As pessoas estão com os ânimos exaltados hoje com relação a quadribol, não? Mas e aí, Kyo? O que tem para dizer para esse serzinho tão educado que sequer se apresentou quando perguntei seu nome?

    — Ey... ora, seu... jovem um tanto abusado. — Kyo deu um leve riso nervoso. — Uma corrida exige muito mais do que apenas a habilidade no momento. Além do meu condicionamento físico estar prejudicado após um show que envolvia coreografias complexas, me deixando em condições menos propícias e somando aos eventos externos entre competidores que são altamente capazes. Tive o azar de ser premiado com duas cascas de banana quanto com o Kimura dando uma de caminhão de gás. Além disso, houve a desistência de uma professora de esportes que estava perdendo de mim, então tecnicamente eu não sou a verdadeira lanterna. Eu desafiaria facilmente esse ouvinte para um confronto nos campos de quadribol para que possa provar que minhas habilidades estão longe de serem ruins. Não há ninguém no nosso time que seja bom como a Lizzie e isso eu posso assumir. Ela daria um excelente treinador... e general do exército... ou ditador. Em todo caso, ela está em outro nível.

    — Er... Alguém da produção poderia trazer mais uma garrafa d’água pro nosso convidado esfriar a cabeça? E, bem... Vamos chamar a pausa para o intervalo porque, sinceramente? Depois dessa, até eu tô precisando de uma água para esfriar a cabeça! Não desliguem, não troquem de frequência! Dentro de instantes estaremos de volta... A voz do locutor vai sumindo, dando lugar às batidas iniciais da música.



    || TEMPO DOS PATROCINADORES SEGUIDO DA VINHETA DE RETORNO DO PROGRAMA E DAS PALMAS DE FUNDO ||


    — Estaaaaaaaamos de volta para mais um bloco do Entrevista com o Vampiro cujo convidado da vez trata-se de ninguém mais, ninguém menos que Kyo Han! E aí, Kyo? O que achou da nossa pequena pausa e da seleção musical do nosso tão amado Liminha?

    — Uwaaa~! O conceito era realeza do pop? Ótimas escolhas, definitivamente.

    — Também achei que o Liminha mandou bem dessa vez... É raro, mas às vezes ele acerta! Enfim... Vamos atender o nosso próximo ouvinte porque o tempo não para e nossos telefones também não! Boooooa noite, seja bem vindo ao programa! Com que falo?

    Ouvinte 6: Yooooo, Kyo-san!!! Yukito aqui. Beleza? Sempre quis perguntar... Como você faz tanta coisa ao mesmo tempo? Compartilha o vira-tempo aí com os amigos! — Risada do ouvinte.

    — Contando comigo, temos a terceira pessoa a perguntar isso, parceiro... Não quer trocar a pergunta não?

    Ouvinte 6: Sério? É porque é impressionante mesmo! Mas beleza, posso trocar. Passa a rotina de skincare aí, porque é impressionante o cara todo atarefado assim ter uma pele tão reluzente nessa idade, uau!

    — Divide aí com a gente seus segredos de beleza, Kyo!

    — O que esse diabo quer dizer com "nessa idade"? Ya, você sabe que não temos tanta diferença de idade assim, criatura? O que tá acontecendo que hoje só levo "team kill"? — Resmungava num quase choramingo de irritação — Pois bem. Sobre meus cuidados com a pele, além de passar raiva, a primeira coisa que é importante é saber seu tipo de pele para a escolha dos melhores produtos. Eu nasci abençoado pela genética e não tenho tantos problemas, mas é sempre importante manter a pele hidratada. Depois de remover bem a maquiagem dos shows e filmagens com produtos menos agressivos e com o cuidado de quem cuidaria de um bebê, você começa o processo. Pessoalmente, gosto de fazer máscara de argila ou esfoliante duas vezes por semana, enquanto resolvo meus e-mails, e pra finalização e a semana toda eu passo diferentes loções. Tenho sempre uma de barbear, uma de ouro, máscaras ou cremes de hidratação e o mais importante: SEMPRE uso protetor solar.

    — Beber água também é importante no processo de hidratação, galera, bebam bastante água! Enfim... Vamos ao próximo ouvinte... Boa noite, com quem falo?

    Ouvinte 6: Boa noite, fala com o Yamato! Kyo-sama! Tudo bem? Gostaria de dizer que sou um de seus maiores fãs e que você manda muito bem no seu trabalho! Gostaria de saber quando terá novas audições na sua empresa para trainees e como devo me preparar para elas! O que é importante não deixar de se atentar e...

    — Okay, okay... Acho que todo mundo já entendeu... E aí, Kyo? O que tem a dizer para essa pessoa?

    — Um garoto de bom gosto, finalmente? — Riu um pouco mais empolgado e claramente orgulhoso de si mesmo. — Teremos audições perto do final dessas férias e também estamos planejando algumas surpresas ao longo do ano. Pode ficar atento que temos todos os meses oportunidades surgindo. E uma boa sorte nas audições, estarei esperando por você!

    — Também te desejo boa sorte garoto, e espero que tenha idade para estar ouvindo esse programa... Enfim... Próximo ouvinte! Boa noite! Com quem falo?

    Ouvinte 7: Boa noite, aqui é a Reyna!

    — Reyna Zheng? Bem vinda! Já é uma ouvinte assídua aqui do nosso programa! Agradecemos o apoio e o carinho! O que deseja perguntar ao nosso convidado, Reyna?

    Ouvinte 7: Então… Em termos de relacionamento amoroso… Qual seria seu tipo ideal?

    Era possível até mesmo ouvir o sorriso repentino do cantor ao ouvir aquela pergunta.

    — Meu tipo ideal? Não importa quantas vezes perguntem é sempre difícil responder... acho que gosto de pessoas inteligentes, altas e que tenham um pouco de uma "fofura"? Na Coreia tem uma expressão mais específica, mas... gosto de mulheres com atitude. Isso, uma pessoa que saiba ser fofa, mas ter atitude. Senhorita Reyna está vindo atrás do meu coração? — Provocou com um tom levemente emocionado e atuado para dar um ar quase bobo em sua pergunta.

    — Uuuuh! Será que vamos presenciar o nascimento de um romance aqui ao vivo, senhoras e senhores? Bom... Antes que suas fãs mais radicais invadam o programa e comecem a protestar, vamos seguir para o próximo ouvinte que também já está na linha! Alô, com quem falo?

    Ouvinte 8: Alô… Aqui é a… Hum… Isla… Estou aqui para perguntar sobre um rumor que ouvi por aí... É verdade que está em um relacionamento com um companheiro de time? Muitas pessoas têm o visto com ele em situações um tanto... Íntimas...

    — Eita! Temos uma pergunta polêmica aqui? E aí, Kyo? Sabe de quem Isla está falando? O que tem a dizer sobre esses rumores? Fale pra gente!

    Kyo hesitou em responder por alguns instantes, alguns poderiam jurar que ele parecia legitimamente confuso.

    — Eh? Que companheiro de time? É verdade que sou muito próximo de alguns deles, mas rumores de um relacionamento...? Não que eu tenha algo contra, mas acho que muitas pessoas confundem minha sexualidade, principalmente por diferenças culturais. Você sabe... na Coreia é comum pessoas do mesmo sexo se abraçarem e darem as mãos, algumas coisas são facilmente confundidas e aumentadas.

    — Sim, sim... Sei bem disso... Mas então podemos classificar esses rumores como infundados e termos como verdade que o coração de Kyo Han ainda não foi fisgado por ninguém? As fãs estão loucas para saber se tem chances!

    — Isso. São só rumores.

    — Perfeito... Então sigamos para nosso próximo ouvinte... Alô, b...

    O ouvinte interrompe o apresentador.

    Ouvinte 9: Boa noite, aqui é Hatori Han, companheiro de time do Kyo! Tudo bem?

    — Fala, Hatori! Bem vindo! O que deseja perguntar ao seu companheiro?

    Ouvinte 9: Ah, eu gostaria de perguntar com quantos anos ele percebeu que levava jeito pra música e como foi exatamente esse encontro com a própria vocação...

    — Pois bem, Kyo... Conte para nós!

    — Hatori! Boa noite. Bom, eu sempre tive aptidão pras artes cênicas. Eu simplesmente olhei para as celebridades e cantores quando era uma criança e decidi que queria ser como eles. Minha voz é fruto de muito esforço e de aulas de canto desde pequeno, isso lapidou bem meu talento nato. Pode parecer um pouco estranho dizer, mas Michael Jackson e Madonna foram grandes figuras pra mim, queria dançar e cantar como eles, estar nos palcos e nas rádios em todos os cantos... Quando passei por Beauxbatons imagino que fui reconhecido pela Brigit pelo mesmo motivo.

    — Por curiosidade, Kyo... Em quais escolas estudou exatamente e em quais anos?

    Kyo suspirou longamente enquanto tentava realmente se lembrar se todas.

    — Vejamos... meus dois primeiros anos foram em Ilvermory, depois fui transferido para Beauxbatons pelo terceiro ano. No ano seguinte passei metade do ano em Castelobruxo e o restante em Uagadou. No quinto ano... Koldovstoretz. Depois terminei os dois últimos anos em Mahoutokoro. Foi uma verdadeira zona e nem eu mesmo sei como consegui passar, sendo que tinha que passar metade dos dias estudando os idiomas locais. Por sorte japonês eu já estudava desde os quatro anos, ou meus últimos anos teriam sido uma catástrofe.

    — Nossa... Isso deve ter sido complicado para uma criança lidar... Você tinha muitos amigos nessa época? Conseguia mantê-los mesmo tendo de mudar tanto assim de ambiente?

    — Na verdade foi. Tiveram seus pontos positivos, mas em relações humanas sempre foi algo frágil... Eu fiz muitas "amizades", mas a maioria eram superficiais e sumiram tão rápido quando surgiram. Tornou mais difícil encontrar alguém com quem eu realmente pudesse me abrir ou que eu possa dizer que realmente me conheceu naquela época. — Acabou limpando a própria garganta um pouco, sua voz deixando claro que tinha voltado a ficar mais desconfortável ao tocar naquele assunto, mas tentou aliviar de alguma forma em seguida. — Em compensação, tive contato com muitas culturas e aprendi a me adaptar às situações. Também conheci e fiquei próximo de um dos meus "calouros", Minki, que atualmente é um artista na minha empresa.

    — Ossos do ofício, não é mesmo? Tudo tem seus lados bons e maus... O importante é que agora você está aqui, bem sucedido e muito bem formado, certo? Enfim... O ponteiro do relógio não para e estamos nos aproximando do fim de nosso encontro... Nosso próximo bloco será o último... Mas que pena! Nem senti o tempo passar! Aposto que você também não, não é meu ouvinte? Anda, corra, voe! As duas últimas perguntas direcionadas ao Kyo podem ser suas! O telefone está logo ali... A voz do locutor vai sumindo, dando lugar às batidas iniciais da música.



    || TEMPO DOS PATROCINADORES SEGUIDO DA VINHETA DE RETORNO DO PROGRAMA E DAS PALMAS DE FUNDO ||


    — Estamos de volta com o último bloco desse programa que vem para animar as suas noites, meu caro ouvinte morceguinho! E aí, Kyo? O que espera dessa rodada final? Está gostando de participar do programa?

    — Voltamos logo após meu último comeback, achei digno. Dá uma promoção pro Liminha logo. — Kyo provocou tentando conter um breve riso. — Essa rádio não está mesmo pra brincadeiras. Pessoal vem afiado pra cima. Ainda sim, é sempre bom poder conversar com o público e também com você, Tyler! Estou só me preparando mentalmente pro que virá a seguir.

    — Acho que ninguém nunca está preparado mentalmente para as perguntas que surgem nesse programa... — O apresentador cai em uma gargalhada rápida, mas divertida. — Enfim... Mas já que tocamos no assunto de seu último comeback... Fale para nós! O que o inspirou a compor o single precedente a sua pausa na carreira musical? Teve alguma inspiração em específico? O que espera que os fãs esperem dessa música que abre uma nova fase em sua vida?

    — É uma música romântica sobre estabilizar-se e proteger um relacionamento com um compromisso. No momento, eu quero me comprometer mais a melhorar e mostrar um lado de Kyo Han que vai além da imagem sexy e de danças poderosas. Quero conseguir me aprofundar em personagens e em criar, me renovar, bem como ampliar o alcance da minha imagem, em produzir conteúdos novos que possam manter o K-pop e a música do leste asiático mais vivos do que nunca. Essa é uma promessa minha para meus fãs, em que cada segundo será valioso enquanto estivermos juntos.

    — Nossa! Profundo! Ouviram isso? Esse cara tem visão, senhoras e senhores! — Sons de aplausos ao fundo. — Pois bem, meus caros amigos, não vamos mais enrolar e sigamos agora para as últimas perguntas do programa de hoje! Alô, com quem falo?

    Ouvinte 9: Boa noite! Aqui quem fala é o Yuan! Gostaria de perguntar qual conselho o senhor teria para quem está começando agora...

    — Mais uma pessoa que espero de verdade que tenha uma voz que aparenta ser mais nova do que é de verdade e que tenha idade para estar ouvindo esse programa... Enfim... Manda bala, Kyo!

    — Estou começando a achar que tem crianças assistindo... — Riu um pouco nasal — Meu conselho é não desistir e treinar seus pontos fortes para que possa mostrar na audição. Mesmo depois de entrar numa empresa, será um caminho árduo para lapidarem seus talentos e cobrirem suas fraquezas. Trabalhe seu espírito de equipe e a forma como se relaciona com pessoas também, porque um escândalo pode destruir uma carreira mais rápido do que você conseguir começar. Vale sempre lembrar também que cada empresa procura um tipo específico de perfil ou imagem para seus artistas, então se fracassar, não desista e continue tentando. Acima de tudo, ame o que você faz!

    — Ouviu, Yuan? Não desista! E, se for menor de idade, verifique a classificação indicativa desse programa! Enfim... Prossigamos para a última pergunta da noite! Booooooa noite, com que falo?

    Ouvinte 10: Oii! Kelsey Hayes, ex-radialista desse lugar maravilhoso! — Voz animada. — Inclusive, UM BEIJO pra galera da meia noite que ouvia minhas histórias de terror!

    — Opa! Sempre bom receber uma colega de trabalho! Inclusive, adorava seu programa! Mas enfim... O que deseja perguntar ao nosso convidado de hoje?

    Ouvinte 10: Obrigada Ty! — Risada. — Então, agora eu trabalho no mundo da moda, e parte importante dos desfiles é a música. Já conhecemos as apostas do ocidente com várias bandas incríveis emergentes. E no oriente, quais são as apostas para esse ano?

    — E aí, Kyo? Quais são?

    Kyo pareceu realmente soltar um som de pensamento longo antes de parecer falando com um sorriso mais relaxado e entretido.

    — Kelsey, Kelsey! Essa pergunta é bem mais interessante do que você pensa! Primeiro eu só gostaria de fazer uma ressalva, que o termo "oriente" é muito mais abrangente do que meu domínio real, já que não posso falar pelo oriente médio ou pelo sudeste asiático, muito menos pela Ásia central. Minha opinião é mais focada no leste asiático, que é meu ramo específico. Assim como no cenário norte americano, tudo depende da "tribo cultural" que estamos tentando abordar, se você quer ir para o mainstream, o indie ou o underground, que também tem um poder incrível nas culturas jovens. Pra quem gosta de moda como você, será mais do que bem vinda a visitar a Coreia para entender como é complexo definir um único grupo quando até mesmo por bairros a diferença é brutal na moda e nessas "tribos sociais", sendo todas com moda sendo reforçadíssima. A Coreia do Sul é apaixonada por modas e tendências diferentes coexistindo como grupos, não como algo individual. Os contrastes também aparece na música emergente por área. Geralmente, no mainstream você sempre terá o K-pop como o mais forte. A tendência atual do K-pop vem se tornando muito mais multiculturais que a Coreia do Sul é como país, mesmo mantendo a raiz do K-pop nos ritmos dançantes e a inspiração R&B se mantendo como a mais forte. Muitas músicas atuais usam um pouco dos ritmos latinos, do hip hop ou do eurobeat para atingir públicos mais diversos e conseguirem justamente força de fãs internacionais, já como público majoritário coreano minha visão é sempre que gostamos do oito ou oitenta. Ou você me oferece uma música realmente energética e vibrante que faça o corpo se mover, ou você me oferece algo dramático ao máximo. Isso faz parte da nossa essência cultural e não vejo mudar nos próximos anos. O soft rock está inspirando nossas bandas indies, também com esse conceito. Músicas somente pesadas ou explícitas, bruscas, tem pouco espaço no nosso repertório "principal". Pode parecer arrogante dizer isso, mas vejo o cenário musical da Coreia do Sul se tornando em breve um dos polos principais a competir de igual pra igual com o americano e britânico. Esse ano, nosso produtor principal e eu alinhamos alguns lançamentos experimentais com nossos artistas. Queremos ousar um pouco mais dentro do que vemos como "lucrativo, mas arriscado" e queremos dar um pouco mais de liberdade criativa aos poucos para nossos músicos. Depois do lançamento do Hinata e do nosso dueto XXI J&M, estamos preparando uma nova aposta de artista solo com uma imagem vibrante. Aqueles que assistiram ao show devem ter ficado boquiabertos com nossa pequena Ohana! Além disso, nossos artistas masculinos terão novos conceitos que tocarão sutilmente uma imagem mais sombria, mas esse projeto ainda não possui data. Achamos que está na hora de quebrar outra vez a visão da mídia atual "ocidental" de que "K-pop" igual a "grupos dançantes" ou apenas algo "fofo". Mostrar que temos músicos dos mais variados tipos e influências. Também estamos treinando artistas para um grupo muito mais multicultural. Esperamos que mostrem interesse! — Respirou longamente após falar sem parar, a ponto de ser audível a falta de fôlego ao final. — Acho que me empolguei um pouco. Obrigado por ouvir até o fim, vou parar de falar antes que eu vire bolsa de sangue do vampirão aqui do lado.

    — Que isso! É exatamente disso que a gente gosta! Assuntos que empolgam tanto nossos ouvintes quanto nosso entrevistado! Realmente, os artistas que citou são extremamente bons... Estive no show que aconteceu no Beco Diagonal e, sinceramente? Sua equipe está de parabéns! Mas, enfim... Estamos agora com o tempo apertado e, para finalizarmos com chave de ouro, o que gostaria de dizer aos nossos ouvintes? O que gostaria que marcasse sua participação aqui no nosso espaço, hum?

    — Por último eu gostaria de agradecer a todos os ouvintes e ao nosso host de hoje por me receberem hoje. Às minhas adoráveis Flowers principalmente por todo o apoio sempre. Espero que daqui pra frente possam apoiar uma versão mais madura de mim e dos meus adoráveis dongsaengs, que estão se esforçando para revolucionar o mercado musical. Por favor, ouçam bastante o meu novo álbum "Secret Love" e deem seu apoio~! Amo vocês, pessoal~ — tornou seu tom um pouco mais agudo e fofo ao final.

    — E quanto às pessoas que ligaram te provocando ou te criticando de alguma forma? Tem algum recado para elas também?

    — Sobre esse tipo de pessoa que se esconde no anonimato pra me criticar, eles são irrelevantes e se não melhorarem como pessoas... Eles que lutem, porque eu vou continuar sendo rico, famoso e bem sucedido~~.

    — É isso aí, meus caros ouvintes! Esse foi mais um Entrevista com o Vampiro! Dessa vez recebendo o multifuncional ator, cantor, CEO, jogador de quadribol e sabe-se lá quantas outras coisas mais, Kyo Han!, Agradecendo ao nosso convidado pela participação e também a cada um de vocês que ligou e teve a chance de fazer esse programa viável! Nós amamos vocês de todo o coração. A vinheta de encerramento começa a tocar. Se você não conseguiu aparecer essa semana, não se desanime! Sempre teremos a semana que vem! Lembramos sempre que esse programa é patrocinado pela loja Madame Malkin’s! Está de passagem pelo Beco Diagonal? Não deixe de visitar o estabelecimento e renovar seu guarda roupas! Lá tem ofertas para todos os gostos e todos os bolsos! Nos vemos no próximo programa, pessoal!

    || A VINHETA DE ENCERRAMENTO SE TORNA MAIS ALTA ATÉ SER O ÚNICO SOM PRESENTE E O PROGRAMA SE ENCERRA ||

215 Visualizações
30/07/2021 às 00:04:05



RÁDIO LUMMUS
Vaduz, Fevereiro de 2022.


O QUE DIZEM AS ESTRELAS
com Dragos Grigore


    – Doze voltas completas no relógio nesta linda quinta-feira e cá estou eu, em ponto, trazendo as informações cósmicas do dia para você ter qualidade de vida! Estão preparados, preparadas e preparades para o que está por vir? Aceite e receba este presente! As estrelas me guiaram até você hoje para falar sobre Geometria Sagrada. Um assunto que, infelizmente, tem se perdido ao longo das gerações e traz a essência da nossa magia e do poder pessoal. É logo depois da vinheta.

    || VINHETA DO PROGRAMA ||


    – Se você é da época boa da antiga escola, com certeza já ouviu falar em Geometria Sagrada. Mas, se você nunca ouviu ou se precisa relembrar, encanta a pena que é o nosso tema de hoje! Eu sou Dragos Grigore, o seu astrólogo pessoal, e juntos vamos desvendar os segredos para uma vida em sintonia com seus propósitos!

    || FIM DA SONORA ||


    – Hoje vamos aproveitar as férias escolares para sair da caixinha e retomar um assunto que também é tema de uma das palestras desta semana no evento no Beco Diagonal. A incrível Lara Doncić, historiadora da magia, com especialização em artes antigas, vai abordar com mais propriedade o tema para quem se interessar amanhã à noite. Enquanto isso, eu vou puxar para o nosso lado místico. Antes de tudo é preciso dizer que a geometria sagrada é tão forte que até mesmo os trouxas foram capazes de sentir a magia vindo delas ao longo dos anos de iluminação.

    || SONORA BAIXA DE FUNDO MÍSTICO ||


    – Tudo o que existe no universo, desde as maiores galáxias até as partículas subatômicas, possui uma fonte de energia oriunda da sua proporção áurea, ou divina proporção. É um padrão geométrico, matemático, facilmente identificável se você estreitar sua visão. A Geometria Sagrada também é conhecida por Arqueometria ou Linguagem da Luz. Pode ser estudada como uma ciência antiga que explora e explica os padrões de energia que criam e unificam todas as coisas e revela a maneira precisa pela qual a energia do universo se organiza. Em todas as escalas, todo padrão natural de crescimento ou movimento se conforma inevitavelmente a uma ou mais formas geométricas.

    - Querem um exemplo? Sabe por qual motivo somos facilmente atraídos por mandalas, formas harmoniosas espirais, padrões e simetrias? Essas formas são capazes de emitir energias, é a conexão de todas as coisas com o Grande Um. É a expressão do Universo. Todas as frequências podem se harmonizar, se sintonizar e reproduzir o que há de mais puro e perfeito em todo o cosmos se assim for a intenção. É por isso que precisamos retomar às nossas raízes bruxas à geometria sagrada, ensinar às nossas crianças os rituais de energização, os elementais, buscar a conexão com a essência real. Essa é a verdadeira magia. Essa é a libertação.

    || SONORA DE “OOOOOHHHH” ||


    - “Tudo bem, Dragos. Eu vim aqui para falar de astrologia, de misticismo.” E nós vamos falar. Normalmente, quando temos insights criativos, seja em uma meditação ou um ritual, ativamos o Hemisfério Direito do cérebro, que é mais intuitivo e criativo, e isso nos provoca uma sensação de êxtase. O problema, entre aspas, é que isso acaba. Voltamos para o mundo real. Ou seja, voltamos a usar o Hemisfério Esquerdo, o racional, e tornamos a ficar mais céticos.

    - Através da observação consciente das formas e das proporções perfeitas da natureza podemos equilibrar esses dois hemisférios. Se nos harmonizarmos com os elementos da natureza, tais como pedras, plantas, terra, ficará muito mais fácil para nos entrarmos na verdadeira sintonia conosco e com as pessoas. Na obra do autor Nigel Pennick, o círculo representa o complemento, a totalidade. Está na natureza, no sol, nas plantas e nos animais. Enquanto o quadrado, por exemplo, é a divisão do espaço, a estabilidade do mundo. Um hexágono tem conexão direta com os círculos, e uma amostra natural perfeita é o favo de mel, manifestando a harmonia divina da natureza.

    - Caminhar pelas formas, por fim, pode nos revelar uma jornada de expansão de consciência que nos aproxima da compreensão do todo e de nós mesmos. E nos trazer a compreensão de que há uma inteligência em tudo o que vemos no Universo.

    - O problema é que nossa civilização atual, com suas formas retas e desproporcionais, nos condiciona a vibrar em frequências dissonantes das de nossa própria natureza. Com isso, começamos por nos sentirmos cansados, nosso sistema imunológico se debilita, podemos ficar desanimados, deprimidos e ao final até doentes. Estamos separados vibratoriamente da Natureza em que fomos gerados.

    - “Dragos, tenho então que me mudar pro campo e fazer minha casa do zero?” Bom, isso seria ótimo. Mas não precisamos ser tão radicais. Podemos aplicar a geometria sagrada em objetos do nosso dia a dia, elementos, recuperando seus efeitos benéficos sobre nossa saúde física e emocional. Alguns bruxos do ramo afirmam que o simples fato de contemplar as formas da natureza é capaz de reequilibrar nosso organismo. Isso inclui não apenas estar ao ar livre, mas também decorar a casa, fotografias de plantas, paisagens e até constelações.

    - Como não temos muito tempo para falar aqui, vou dar uma dica para vocês: pesquisem sobre os Sólidos Platônicos e me encontrem amanhã, às 19h, na Floreios e Borrões, para o lançamento do novo livro da minha grande amiga. Farei uma participação especial na palestra dela, vamos abordar a geometria sagrada, as energias do Universo e um bate-papo bem legal. Ok? Eu vou para os comerciais e na volta temos o oráculo do cristal!

    || INTERVALO, COM OS ANÚNCIOS DOS PATROCINADORES SEGUIDA DA VINHETA DE VOLTA DO PROGRAMA ||


    || VINHETA ORÁCULO DO CRISTAL ||


    - Amanhã eu vou trazer as previsões astrológicas para o final de semana e já vamos nos preparar para o novo mês! Quero receber os feedbacks de vocês sobre o assunto que abordamos hoje. Escrevam para nós. Agora vamos nos concentrar porque tem uma mensagem especial do Universo para você.

    || O LOCUTOR ESTÁ CANALIZANDO SUAS ENERGIAS NA BOLA DE CRISTAL ||


    - Sim... Eu já estou vendo... Laranja, azul, púrpura, amarelo, verde, cinza... O oráculo da bola de cristal está nos dizendo “O momento é de agitação e obstáculos. Fique atento, pois tudo poderá se tornar difícil, tudo pode mudar, assuntos dados como certo, podem dar errado. Não confie em ninguém, aposte somente na sua intuição, se necessário peça opinião para pessoas que você confia. Não assine nenhum documento sem ler, reler, e até mesmo consultar pessoas experientes no assunto. Se a sua pergunta foi sim ou não, a resposta é NÃO. Para afastar a negatividade do dia, use a pedra TURMALINA NEGRA, pois ela tem o poder de suavizar o momento que esta vivendo.”

    || SONORA FINAL ||


    - Chegamos ao final de mais um programa e eu agradeço imensamente a sua companhia e a oportunidade de mudarmos juntos os nossos caminhos. Nosso compromisso aqui na rádio é com o seu bem-estar. E com isso eu me despeço de vocês. Eu sou Dragos Grigore e esta foi mais uma edição do "O Que Dizem As Estrelas?". Eu te espero amanhã, meio-dia em ponto, para mudarmos as nossas vidas.

647 Visualizações
30/06/2021 às 16:19:06



JORNAL LUMMUS

HOGWARTS, 30 junho de 2021

O Retorno de Hogwarts
Magia e estudantes voltam a habitar a escola britânica

Imagem


A dias do final do ano letivo, a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts tornou a abrir seus portões, recebendo não apenas estudantes, mas também alguns pais e convidados ilustres. Uma comemoração ante o retorno à normalidade mágica da instituição de ensino britânica e uma homenagem aos que prestaram auxílio direto ou indireto até que aquele problema, que se delongara por anos e chegara à máxima de uma aparente extinção mágica, tivesse seu fim.

O anúncio, de que haviam sido solucionados quaisquer problemas no fluxo mágico ao longo de Hogwarts, foi feito aos estudantes na segunda metade de junho, junto de um aviso de que todos retornariam à Grã-Bretanha após o período de provas. Assim sendo, a poucos dias do final do ano letivo, o corpo discente da escola britânica, que havia sido divido em um intercâmbio junto a Academia Beauxbatons, na França, e o Instituto Durmstrang, na Rússia, se viu novamente junto e de volta aos terrenos de sua instituição de origem, a qual se mostrava livre da névoa que a cobrira por dois anos.

Após serem recepcionados pela vice-diretora interina, Prof.ª Scarlett Adams, os estudantes foram conduzidos até o Salão Principal, em ordem, encontrando o ambiente em todo seu potencial. O teto mágico, ornamentado por velas flutuantes e incandescentes, refletia o céu limpo do exterior; nas paredes as pinturas dos quadros se moviam, saudando os recém-chegados, enquanto ao longo do salão, as cores e brasões das quatro casas que formam Hogwarts se espalhavam de modo igualitário.

Os fantasmas de cada uma das casas, que haviam sumido quando toda a falha mágica teve início, retornavam a sua não-existência, flutuando próximo dos funcionários da escola britânica. Junto destes, além de representantes da Confederação Internacional dos Bruxos, contou-se também com a presença dos vice-diretores de Beauxbatons, Isabelle Revolverheld, e de Durmstrang, Gen. Cameron Gallagher, e dos pais de alguns dos estudantes, convidados para conferirem por si mesmos a ordem reestabelecida e o retorno da segurança necessária para o ensino mágico de seus filhos.

Em meio a seu discurso de boas-vindas, Lothringen esclareceu aos presentes que a névoa havia sido obra da réplica de um artefato antigo, considerado por bruxos e não-bruxos como uma lenda: a caixa de Pandora. Como aquele item havia surgido em Hogwarts permanece um mistério, mas de acordo com o relato oferecido, a presença dela se dava pelo menos desde o final do século XVII, quando dois estudantes, Jeremy e Joseph Without, a encontraram pela primeira vez e, sem perceber o perigo que ali existia, começaram a estudá-la.

Quando esta compreensão ocorreu, tardiamente, os dois alunos buscaram selar o item, sendo presos pela caixa no processo e desaparecendo de seu tempo. Apesar do feito, com o passar dos séculos o selo se enfraqueceu e a caixa, então, voltou a ser aberta, resultando nas ocorrências que assombraram Hogwarts ao longo dos últimos anos. O fim desta longa história veio no início de junho, devido ao esforço dos funcionários da escola britânica que, em conjunto com o Sr. Babylas Neveu, escolhido pela Confederação Internacional dos Bruxos para auxiliar naquele caso, encontraram a chave necessária para a solução derradeira.

Oferecida esta explicação, foi feito um agradecimento formal aos representantes de Beauxbatons e Durmstrang, uma vez que as escolas haviam disponibilizado as condições necessárias para que os alunos prosseguissem seus estudos sem perdas. Uma homenagem singela, que refletiu a gratidão de Hogwarts para com as duas instituições de ensino, reiterando também a conexão presente entre as três grandes da Europa e servindo como ponto final para aquele capítulo conturbado da escola britânica.

Um fim e, como determinado pelo diretor Lothringen, um “recomeço”, com o castelo de Hogwarts disponível para perfeita visibilidade dos olhos mágicos, seus quatro fantasmas patronos presentes em sua existência etérea, a magia restaurada em sua totalidade e mudanças previstas. Nada anunciado de modo efetivo, de modo a tornar como novo mistério que envolve a Hogwarts, justamente o que, após os anos turbulentos já passados, o futuro há de reservar para a instituição e todos aqueles a ela ligados.

Escrito por: Karen Dernach

1.180 Visualizações
29/05/2021 às 23:54:26

Cadernos
Jornalistas