RÁDIO LUMMUS
Vaduz, Fevereiro de 2022.


O QUE DIZEM AS ESTRELAS
com Dragos Grigore


    – Doze voltas completas no relógio nesta linda quinta-feira e cá estou eu, em ponto, trazendo as informações cósmicas do dia para você ter qualidade de vida! Estão preparados, preparadas e preparades para o que está por vir? Aceite e receba este presente! As estrelas me guiaram até você hoje para falar sobre Geometria Sagrada. Um assunto que, infelizmente, tem se perdido ao longo das gerações e traz a essência da nossa magia e do poder pessoal. É logo depois da vinheta.

    || VINHETA DO PROGRAMA ||


    – Se você é da época boa da antiga escola, com certeza já ouviu falar em Geometria Sagrada. Mas, se você nunca ouviu ou se precisa relembrar, encanta a pena que é o nosso tema de hoje! Eu sou Dragos Grigore, o seu astrólogo pessoal, e juntos vamos desvendar os segredos para uma vida em sintonia com seus propósitos!

    || FIM DA SONORA ||


    – Hoje vamos aproveitar as férias escolares para sair da caixinha e retomar um assunto que também é tema de uma das palestras desta semana no evento no Beco Diagonal. A incrível Lara Doncić, historiadora da magia, com especialização em artes antigas, vai abordar com mais propriedade o tema para quem se interessar amanhã à noite. Enquanto isso, eu vou puxar para o nosso lado místico. Antes de tudo é preciso dizer que a geometria sagrada é tão forte que até mesmo os trouxas foram capazes de sentir a magia vindo delas ao longo dos anos de iluminação.

    || SONORA BAIXA DE FUNDO MÍSTICO ||


    – Tudo o que existe no universo, desde as maiores galáxias até as partículas subatômicas, possui uma fonte de energia oriunda da sua proporção áurea, ou divina proporção. É um padrão geométrico, matemático, facilmente identificável se você estreitar sua visão. A Geometria Sagrada também é conhecida por Arqueometria ou Linguagem da Luz. Pode ser estudada como uma ciência antiga que explora e explica os padrões de energia que criam e unificam todas as coisas e revela a maneira precisa pela qual a energia do universo se organiza. Em todas as escalas, todo padrão natural de crescimento ou movimento se conforma inevitavelmente a uma ou mais formas geométricas.

    - Querem um exemplo? Sabe por qual motivo somos facilmente atraídos por mandalas, formas harmoniosas espirais, padrões e simetrias? Essas formas são capazes de emitir energias, é a conexão de todas as coisas com o Grande Um. É a expressão do Universo. Todas as frequências podem se harmonizar, se sintonizar e reproduzir o que há de mais puro e perfeito em todo o cosmos se assim for a intenção. É por isso que precisamos retomar às nossas raízes bruxas à geometria sagrada, ensinar às nossas crianças os rituais de energização, os elementais, buscar a conexão com a essência real. Essa é a verdadeira magia. Essa é a libertação.

    || SONORA DE “OOOOOHHHH” ||


    - “Tudo bem, Dragos. Eu vim aqui para falar de astrologia, de misticismo.” E nós vamos falar. Normalmente, quando temos insights criativos, seja em uma meditação ou um ritual, ativamos o Hemisfério Direito do cérebro, que é mais intuitivo e criativo, e isso nos provoca uma sensação de êxtase. O problema, entre aspas, é que isso acaba. Voltamos para o mundo real. Ou seja, voltamos a usar o Hemisfério Esquerdo, o racional, e tornamos a ficar mais céticos.

    - Através da observação consciente das formas e das proporções perfeitas da natureza podemos equilibrar esses dois hemisférios. Se nos harmonizarmos com os elementos da natureza, tais como pedras, plantas, terra, ficará muito mais fácil para nos entrarmos na verdadeira sintonia conosco e com as pessoas. Na obra do autor Nigel Pennick, o círculo representa o complemento, a totalidade. Está na natureza, no sol, nas plantas e nos animais. Enquanto o quadrado, por exemplo, é a divisão do espaço, a estabilidade do mundo. Um hexágono tem conexão direta com os círculos, e uma amostra natural perfeita é o favo de mel, manifestando a harmonia divina da natureza.

    - Caminhar pelas formas, por fim, pode nos revelar uma jornada de expansão de consciência que nos aproxima da compreensão do todo e de nós mesmos. E nos trazer a compreensão de que há uma inteligência em tudo o que vemos no Universo.

    - O problema é que nossa civilização atual, com suas formas retas e desproporcionais, nos condiciona a vibrar em frequências dissonantes das de nossa própria natureza. Com isso, começamos por nos sentirmos cansados, nosso sistema imunológico se debilita, podemos ficar desanimados, deprimidos e ao final até doentes. Estamos separados vibratoriamente da Natureza em que fomos gerados.

    - “Dragos, tenho então que me mudar pro campo e fazer minha casa do zero?” Bom, isso seria ótimo. Mas não precisamos ser tão radicais. Podemos aplicar a geometria sagrada em objetos do nosso dia a dia, elementos, recuperando seus efeitos benéficos sobre nossa saúde física e emocional. Alguns bruxos do ramo afirmam que o simples fato de contemplar as formas da natureza é capaz de reequilibrar nosso organismo. Isso inclui não apenas estar ao ar livre, mas também decorar a casa, fotografias de plantas, paisagens e até constelações.

    - Como não temos muito tempo para falar aqui, vou dar uma dica para vocês: pesquisem sobre os Sólidos Platônicos e me encontrem amanhã, às 19h, na Floreios e Borrões, para o lançamento do novo livro da minha grande amiga. Farei uma participação especial na palestra dela, vamos abordar a geometria sagrada, as energias do Universo e um bate-papo bem legal. Ok? Eu vou para os comerciais e na volta temos o oráculo do cristal!

    || INTERVALO, COM OS ANÚNCIOS DOS PATROCINADORES SEGUIDA DA VINHETA DE VOLTA DO PROGRAMA ||


    || VINHETA ORÁCULO DO CRISTAL ||


    - Amanhã eu vou trazer as previsões astrológicas para o final de semana e já vamos nos preparar para o novo mês! Quero receber os feedbacks de vocês sobre o assunto que abordamos hoje. Escrevam para nós. Agora vamos nos concentrar porque tem uma mensagem especial do Universo para você.

    || O LOCUTOR ESTÁ CANALIZANDO SUAS ENERGIAS NA BOLA DE CRISTAL ||


    - Sim... Eu já estou vendo... Laranja, azul, púrpura, amarelo, verde, cinza... O oráculo da bola de cristal está nos dizendo “O momento é de agitação e obstáculos. Fique atento, pois tudo poderá se tornar difícil, tudo pode mudar, assuntos dados como certo, podem dar errado. Não confie em ninguém, aposte somente na sua intuição, se necessário peça opinião para pessoas que você confia. Não assine nenhum documento sem ler, reler, e até mesmo consultar pessoas experientes no assunto. Se a sua pergunta foi sim ou não, a resposta é NÃO. Para afastar a negatividade do dia, use a pedra TURMALINA NEGRA, pois ela tem o poder de suavizar o momento que esta vivendo.”

    || SONORA FINAL ||


    - Chegamos ao final de mais um programa e eu agradeço imensamente a sua companhia e a oportunidade de mudarmos juntos os nossos caminhos. Nosso compromisso aqui na rádio é com o seu bem-estar. E com isso eu me despeço de vocês. Eu sou Dragos Grigore e esta foi mais uma edição do "O Que Dizem As Estrelas?". Eu te espero amanhã, meio-dia em ponto, para mudarmos as nossas vidas.

485 Visualizações
30/06/2021 às 16:19:06



JORNAL LUMMUS

HOGWARTS, 30 junho de 2021

O Retorno de Hogwarts
Magia e estudantes voltam a habitar a escola britânica

Imagem


A dias do final do ano letivo, a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts tornou a abrir seus portões, recebendo não apenas estudantes, mas também alguns pais e convidados ilustres. Uma comemoração ante o retorno à normalidade mágica da instituição de ensino britânica e uma homenagem aos que prestaram auxílio direto ou indireto até que aquele problema, que se delongara por anos e chegara à máxima de uma aparente extinção mágica, tivesse seu fim.

O anúncio, de que haviam sido solucionados quaisquer problemas no fluxo mágico ao longo de Hogwarts, foi feito aos estudantes na segunda metade de junho, junto de um aviso de que todos retornariam à Grã-Bretanha após o período de provas. Assim sendo, a poucos dias do final do ano letivo, o corpo discente da escola britânica, que havia sido divido em um intercâmbio junto a Academia Beauxbatons, na França, e o Instituto Durmstrang, na Rússia, se viu novamente junto e de volta aos terrenos de sua instituição de origem, a qual se mostrava livre da névoa que a cobrira por dois anos.

Após serem recepcionados pela vice-diretora interina, Prof.ª Scarlett Adams, os estudantes foram conduzidos até o Salão Principal, em ordem, encontrando o ambiente em todo seu potencial. O teto mágico, ornamentado por velas flutuantes e incandescentes, refletia o céu limpo do exterior; nas paredes as pinturas dos quadros se moviam, saudando os recém-chegados, enquanto ao longo do salão, as cores e brasões das quatro casas que formam Hogwarts se espalhavam de modo igualitário.

Os fantasmas de cada uma das casas, que haviam sumido quando toda a falha mágica teve início, retornavam a sua não-existência, flutuando próximo dos funcionários da escola britânica. Junto destes, além de representantes da Confederação Internacional dos Bruxos, contou-se também com a presença dos vice-diretores de Beauxbatons, Isabelle Revolverheld, e de Durmstrang, Gen. Cameron Gallagher, e dos pais de alguns dos estudantes, convidados para conferirem por si mesmos a ordem reestabelecida e o retorno da segurança necessária para o ensino mágico de seus filhos.

Em meio a seu discurso de boas-vindas, Lothringen esclareceu aos presentes que a névoa havia sido obra da réplica de um artefato antigo, considerado por bruxos e não-bruxos como uma lenda: a caixa de Pandora. Como aquele item havia surgido em Hogwarts permanece um mistério, mas de acordo com o relato oferecido, a presença dela se dava pelo menos desde o final do século XVII, quando dois estudantes, Jeremy e Joseph Without, a encontraram pela primeira vez e, sem perceber o perigo que ali existia, começaram a estudá-la.

Quando esta compreensão ocorreu, tardiamente, os dois alunos buscaram selar o item, sendo presos pela caixa no processo e desaparecendo de seu tempo. Apesar do feito, com o passar dos séculos o selo se enfraqueceu e a caixa, então, voltou a ser aberta, resultando nas ocorrências que assombraram Hogwarts ao longo dos últimos anos. O fim desta longa história veio no início de junho, devido ao esforço dos funcionários da escola britânica que, em conjunto com o Sr. Babylas Neveu, escolhido pela Confederação Internacional dos Bruxos para auxiliar naquele caso, encontraram a chave necessária para a solução derradeira.

Oferecida esta explicação, foi feito um agradecimento formal aos representantes de Beauxbatons e Durmstrang, uma vez que as escolas haviam disponibilizado as condições necessárias para que os alunos prosseguissem seus estudos sem perdas. Uma homenagem singela, que refletiu a gratidão de Hogwarts para com as duas instituições de ensino, reiterando também a conexão presente entre as três grandes da Europa e servindo como ponto final para aquele capítulo conturbado da escola britânica.

Um fim e, como determinado pelo diretor Lothringen, um “recomeço”, com o castelo de Hogwarts disponível para perfeita visibilidade dos olhos mágicos, seus quatro fantasmas patronos presentes em sua existência etérea, a magia restaurada em sua totalidade e mudanças previstas. Nada anunciado de modo efetivo, de modo a tornar como novo mistério que envolve a Hogwarts, justamente o que, após os anos turbulentos já passados, o futuro há de reservar para a instituição e todos aqueles a ela ligados.

Escrito por: Karen Dernach

1.048 Visualizações
29/05/2021 às 23:54:26



JORNAL LUMMUS

DURMSTRANG, Julho de 2021

Revolução dos bichos
E as quatro criaturas de Durmstrang

Imagem


Durmstrang teve um ano cheio de situações inusitadas conforme o costume, mas dentre elas, uma data específica chamou a atenção de seus alunos — regular ou intercambistas — e funcionários.

Se George Orwell gostou tanto de escrever sobre a história da revolução na grande Mãe Rússia através da metáfora com animais, ele certamente teria enlouquecido com a visão imprevista dentro do instituto mágico de Durmstrang. O que se iniciou com os adoráveis animais de estimação dos alunos correndo juntos para o saguão principal ignorando que boas almas tentavam acalmá-los ou contê-los antes que saíssem todos juntos dali, transformou-se logo uma Parada Mística dos Bichos.

Em sua primeira parada, alguns alunos juraram ouvir a criatura mitológica Drekavac falar com eles em sua forma de raposa, assegurando que aquilo tudo era uma encenação de eventos passados em que a vida de alunos fora salva durante o ataque de um dragão. Não tão depois, ao se aproximarem do lago de Vodyanoi, o comportamento dos animais tornou-se estranho e alerta ao que acontecia pelas águas, na premonição de que algo emergiria em breve. Após atearem fogo a um Inferius que subia para a superfície, a grande presença de Vodyanoi, mística criatura russa que vive nas águas com seus traços físicos similares ao de um anfíbio, deu suas graças aos visitantes, reconhecendo-os por um bom trabalho.

Diretamente da mitologia eslava e com sua forma majestosa de lobo, Leshiy permitiu que alguns alunos se comunicassem com eles ao seguirem os animais domésticos até a floresta, dando a eles informações valiosas sobre a segurança de Durmstrang e sobre os caminhos pelos quais passavam, levando-os em segurança para fora de seu território.

O último ponto daquele grande desfile que tomou conta de Durmstrang foi o labirinto de Willa. Os animais, antes calmos com a presença de Leshy, causaram um grande furor ao evitar as paredes do território da criatura mística conhecida pela forma de cisne. Pregando uma peça nos bruxos, muitos animais e humanos caminharam incansavelmente em busca dos animais ou das saídas, mas, tendo um pequeno vislumbre de uma forma mais humana da criatura sagrada, foram resgatados de uma maneira tragicômica — lançados como cometas para a saída, já que Willa parecia querer inaugurar a primeira montanha de crianças.

Quem diria que as quatro criaturas místicas que protegem Durmstrang surgiriam para alguns alunos sortudos e atentos ao movimento de seus animais de estimação?

Escrito por: Alex Jensen

936 Visualizações
29/05/2021 às 23:53:09

Cadernos
Jornalistas