Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 2287 17/01/2019 às 14:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 1810 22/11/2018 às 21:19:24
É LUFA - LUFA!! Oh Ha Na 2223 08/09/2018 às 21:24:13
Indo para Hogwarts! Oh Ha Na 1974 08/09/2018 às 21:20:17
A súcubo do Apocalipse Lilith Ambrew 1926 08/09/2018 às 12:11:11

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Franca Geneviéve Vougran [ 17006 ]

Situação Atual: CADASTRO NORMAL E ATIVO

  • Geneviéve Vougran
  • Mundo Mágico
  • Mundo Mágico

  • NOME COMPLETO

    Geneviéve Vougran

  • RAÇA

    Humana

  • CLASSE

    Mágica

  • ALTURA

    1,66m

  • PESO

    56kg

  • OLHOS

    Azul Intenso

  • CABELOS

    Branco Intenso

  • SEXO

    Feminino

  • OPÇÃO SEXUAL

    Heterossexual

  • IDADE

    30 anos

  • DATA DE NASCIMENTO

    26/03/1986

  • SIGNO

    Áries

  • NOME DO PAI

    Desconhecido

  • NOME DA MÃE

    Desconhecida

  • ORIGEM SANGUÍNEA

    Desconhecida

  • LOCALIDADE

    Mundo Mágico

  • CIDADE/PAÍS

    Leblanc/Franca

  • NÍVEL

Nascida em uma cidade qualquer do país francês, Geneviéve foi abandonada aos seus 11 anos de idade por sua família nos campos de cultivo dos Vougran. Apesar da pouca idade, a garota já demonstrava dotes mágicos - muito embora desconhecesse completamente a sociedade bruxa. Até então, criada por trouxas, a agora mulher acreditava que foi deixada para trás por seus verdadeiros pais, talvez assustados por sua aparência peculiar, e, portanto, decidiu que nunca se daria ao trabalho de conhecê-los. Eles não eram dignos de conhecerem-na.

Foi acolhida por uma das mais tradicionais e elitistas famílias da França, os Vougran, que acreditavam que Geneviéve foi enviada pela deusa Morrigan como um presente pela devoção por sua figura. Nessa perspectiva, criaram a menina de pele e cabelos claríssimos, sempre falando que seus olhos eram benção da deusa da guerra devido ao tom violeta que ostentavam [na antiga zonkos existia essa opção de cor, agora não mais], sem, contudo, excetuar o fato de que a sua vida pertencia àqueles que cuidavam de si. Isso acabou por torná-la uma das pessoas mais fiéis ao sobrenome.

Seu crescimento girou em torno dos treinamentos mágicos realizados nos campos da família, de modo que seu conhecimento por sobre o mundo bruxo se ampliasse gradativamente. Seu poder mágico também evoluiu, tal como sua constituição corpórea. Geneviéve passou a adquirir traços delicados e sensuais, que muito facilmente mexeriam com a cabeça de qualquer ser vivo existente. Até hoje gaba-se de seus dotes sedutores, muito embora algumas figuras conhecidas já tivessem sido capazes de escapar. Isso era graças ao seu sangue meio-veela, algo que ela desconhecia completamente e que viria a revelar-se mais para frente, conforme essa história se desenrola.

Vale notar que Geneviéve é extremamente ambiciosa. Ainda que sua fidelidade para com a família que a criou a tivesse guiado por quase toda a vida, nos últimos anos as coisas se distorceram. De modo que criasse a ideia de superioridade. Ninguém era melhor que ela, portanto os Vougran eram apenas colegas queridos, perdendo o posto de família. Isso ocorreu depois de sua posição como diretora de Beauxbatons, quando Donovan Vougran, seu primo e infiltrado na academia, conviver muito tempo perto de si. Para além, ao matar Celyan Olliver, a mulher entendeu que sua vida era algo único, inestimável, e que as mágoas do passado a assombrariam. Ninguém seria capaz de transformá-la numa Vougran. Usaria o sobrenome pela facilidade, tão somente, e assim chegaria ao posto de ministra da magia (a primeira).

Só que as coisas ficaram meio confusas.

Juntou-se a um grupo de malfeitores que usavam nomes de deuses gregos (a Grécia era nojenta em sua concepção) para disseminar a ideologia de um líder. Óbvio que aquela era uma forma de conseguir contatos, portanto por quê não juntar-se a? O que ela não esperava era que o grupo fosse tão fragilizado assim. Quando alguns integrantes debandaram e/ou foram capturados, sabia que aquela seria a sua deixa para sumir por uns tempos. Só que existia um segredo que ainda vivia e que precisava de correção: Chase Ali Prince. A garota, fruto de um casamento fajuto com um sujeitinho qualquer, aliado aos Vougran, era um problema. Ela sabia demais. E, ainda que não fosse sua filha, entendia que era uma responsabilidade que tinha que arcar. Esse foi o motivo para ir para a academia francesa - para ela, não para seus padrinhos - e, mesmo assim, graças a uma vampirinha qualquer, a garota ainda vivia. Persegui-la seria seu objetivo de vida.

No desenrolar da vida, a mulher descobriu que, na maternidade onde pegou Chase, onde deixou seu verdadeiro filho para trás, Conrad von der Grimmelshausen, levado por Petra von der Grimmelshausen em troca de uma criaturinha deformada (e aí o motivo para roubar uma criança qualquer), as coisas foram invertidas. Cegou-se para a verdade, é claro, mas as provas trazidas pela vampira eram o suficiente para entender que tinha outro viés nisso. Precisava conhecer o menino. Só que, ao vê-lo, descobriu que ele tinha muito mais de si do que podia imaginar. Conrad era, sem dúvidas, seu sangue. Era tão doentio quanto ela mesma.

Raptou-o (pois não sabia como chegar) e enfureceu-se ao ser rejeitada como mãe. O garoto era esnobe demais para aceitá-la. Isso foi o suficiente para ser punido. Manteve-o em cativeiro. E ali ficaria. Até aprender a respeitá-la e admirá-la como aquilo que ela era para ele. Ou ao menos o que desejava ser.



Este perfil já foi visualizado 153 vezes. Atualizado pela ultima vez em: 01/07/2018 às 17:11:07