Dados Básicos do Fórum:

Na Zonko's não citamos nenhum dos personagens dos livros ou filmes. Vivemos no mundo mágico, mas nem Harry Potter, Voldemort, Dumbledore, Comensais da Morte e etc. existiram em nosso mundo, com isso você não pode usar nenhum sobrenome dos personagens dos filmes ou livros. O fórum encontra-se nos dias atuais, no ano de 2013 d.c. e as condições climáticas variam de dia para dia e de tópico para tópico, conforme você poderá observar. O nosso período letivo dura oito meses contando com as férias. Nossos adultos recebem por dia de presença e seus tópicos em ON lhe renderão pontos e goldens (nossa moeda). Você nunca poderá interpretar a ação de outro personagem (salvo com autorização), mas poderá interpretar livremente o seu personagem (seja sempre coerente), lembrando que toda ação possui uma reação. A capital do Mundo mágico está localizada em Vaduz, Liechtenstein.

Últimas publicações do Livro Vermelho:

Título Autor Visitas Data
Diário do Josh - Últimos dias antes da escola. Joshua P. A. Nolan 3237 17/01/2019 às 11:12:01
Chegada à Durmstrang Mihail Weylin 2709 22/11/2018 às 18:19:24
É LUFA - LUFA!! Oh Ha Na 3797 08/09/2018 às 18:24:13
Indo para Hogwarts! Oh Ha Na 2899 08/09/2018 às 18:20:17
A súcubo do Apocalipse Lilith Ambrew 2827 08/09/2018 às 09:11:11

Central de Ajuda Zonko's:



Entre em contato por: [email protected]

Franca Louie Vandeboncouer [ 17203 ]

Situação Atual: CADASTRO NORMAL E ATIVO

  • Louie Vandeboncouer
  • 2° Ano Morrigan
  • 2° Ano Morrigan

  • NOME COMPLETO

    Louie Vandeboncouer

  • RAÇA

    Humana

  • CLASSE

    Mágica

  • ALTURA

    1,59m

  • PESO

    42kg

  • OLHOS

    Azul Opaco

  • CABELOS

    Preto Intenso

  • SEXO

    Masculino

  • OPÇÃO SEXUAL

    Heterossexual

  • IDADE

    12 anos

  • DATA DE NASCIMENTO

    28/09/2003

  • SIGNO

    Libra

  • NOME DO PAI

    Galahad Vandeboncouer

  • NOME DA MÃE

    Audra Vandeboncouer

  • ORIGEM SANGUÍNEA

    Sangue Puro

  • LOCALIDADE

    Beauxbatons

  • CIDADE/PAÍS

    Bordeaux/Franca

  • NÍVEL

PERSONALIDADE

Bem humorado, porém tímido, Louie é um bom amigo e relativamente estudioso. Criativo, cria sempre ideias para se divertir e gosta de fazer planos mirabolantes que nem sempre dão certo. Não é o mais inteligente da turma, mas também não é o mais burro. Mediano porque é preguiçoso, se procurasse se esforçar conseguiria se sair melhor. Adora uma aventura, principalmente se vier regada de muita comida e doces, ama de paixão qualquer tipo de comida que tenha glicose em sua composição. Apesar deste "ser humaninho" ser uma criaturinha bem divertida e travessa, ele sabe o limite de até onde pode ir, principalmente com o irmão, este é seu pilar e tudo o que lhe sobrou de família, ou seja, Guillaume é tudo na vida do pequeno Vandeboncoeur.



HISTÓRIA

Ser um Vandeboncouer é um privilégio. Normalmente, com esse poder, vinha as responsabilidades que poderiam subir à cabeça, mas também te empurrar de cabeça dentro de uma tumba. Sobrenome comumente conhecido por estar associado a um famoso grupo de agentes secretos que existe no mundo bruxo. Esta informação, porém, somente será útil para que você leitor compreenda algumas desventuras em séries totalmente duvidosas que vieram realizar-se na história que é narrada a seguir. Para fins interpretativos a história é narrada pelo próprio protagonista, Louie Vandeboncouer.

"Nasci em setembro, em Bordeaux, mais especificamente no Hospital Nostradamus para Acidentes e Doenças Mágicas. Eu sei que é um hospital só para acidentes e doenças mágica, mas acontece que a gravidez da minha mãe era de risco. A Sra. Vandeboncouer estava com seus quarenta anos, apesar de a imagem que vi nas fotos não corresponder à idade, quando ficou grávida. Ela já tinha um filho e não esperava ter esse tipo de surpresa aos quarenta e oito minutos do segundo tempo. Aí você me pergunta mais uma vez por que o Nostradamus e não um hospital comum? Bem, acontece que como a gravidez foi tão prejudicial para a minha pobre mamãe, que ela perdia o controle da sua magia e até chegou a conjurar um Bombarda no meio do quarto e sua pele mudava de cor de acordo com o seu humor, variando do rosa chiclete quando estava feliz, o vermelho escarlate quando estava faminta e o roxo beterraba quando estava furiosa. Aí o mais seguro tanto para nós dois e para quem mais chegasse perto, ela foi internada no hospital mágico francês quando estava no sexto mês de gestação e ficou lá até que eu nasci, três meses depois.

Cresci num bairro de classe média em Bordeaux, França. Acredito que o leitor compreendeu que sou francês quando mencionei onde nasci e me apresentei como Louie Vandeboncouer. Mas já vou logo desfazendo os mitos básicos sobre nós franceses: gostamos de tomar banho, não é porque não fazemos com a mesma frequência de quem mora abaixo do tropico do equador que somos admiradores do cascão. Não somos afrescalhados, apenas pedantes. E não usamos Chanel como guardanapo... Por favor, avise isso aos Simpsons. Como meu irmão é mais velho, sendo que a diferença de idade é de 15 anos entre nós. Então cresci tendo a casa e os mimos dos meus pais só para mim, já que ⁠Guillaume passava praticamente o ano inteiro em Beauxbatons. Mas não pense que eu fui uma criança solitária, pois sempre tive muitos amigos para brincar. E não me importava se eram bruxos, trouxas ou imaginários, bastava ser legal comigo para ser meu amigo.

A minha primeira manifestação mágica começou quando sai do ventre da minha mãe. Sabe aquele lance de mudar de cores de acordo com o humor? Pois é, até os seis meses eu era um arco-íris ambulante. Então todos da minha família sabiam que eu não corria o risco de ser um aborto, mas temeram e muito pela doença do limiar. Um primo de terceiro grau do padrinho do meu avô morreu quando chegou aos seis anos e teve um colapso mágico. True history, de acordo com meu irmão. Digo isso, pois pouco sei acerca de meus familiares, na verdade o que sei foi me dito por Gui. Deixe-me ser mais claro. Eu tinha três anos quando um homem de terno bateu em nossa porta e a cena que eu vi a seguir me chocou tanto que lembro-me dela até hoje: Gui debulhou-se em lágrimas caindo de joelho no chão. Como qualquer criança de três anos, minha reação foi abraçá-lo e beijá-lo na testa, pois era assim que mamãe fazia quando eu me machucava e sempre funcionada, mas naquele dia não funcionou. Naquele dia mamãe e papai não voltaram do lugar onde eles iam todos os dias, descobri posteriormente que o lugar se chamava trabalho e este localizava-se no ministério francês.

No primeiro instante Guillaume me contou que papai e mamãe haviam ido embora morar em um lugar muito lindo chamado céu, por anos sempre questionei ao mais velho por qual razão eles nos abandonaram. Naquela época conheci o Sr. Casanova um velho bem legal que cuidou de mim e de meu irmão, apesar de as vezes ficar batendo nele sem Gui ter feito nada, mas meu maninho não deixava barato e dava chutes e socos no "Casanova". Sempre que eu perguntava (sempre fiz muitas perguntas) o porquê de eles ficarem brigando, os dois desconversavam e mudavam de assunto dizendo que não era coisa para crianças, na verdade esta era a resposta de Gui para todas minhas perguntas. Mesmo que papai e mamãe tenham ido para esse tal céu, eu não posso reclamar, pois cresci feliz, na medida do possível. Meu irmão sempre fez o possível para que eu fosse o ser mais amado e paparicado do mundo, inclusive roubava doces do velho "Casanova" a noite quando as lombrigas me atacavam o estômago.

Parei com as indagações quando, aos nove anos, descobrir o que era a morte. O querido senhor "Casanova", que na verdade era Cazeneuve, morreu restando somente meu irmão e eu. Gui passou a ficar muito tempo fora de casa, então comecei a passar dias e noites sob a guarda de homens de terno que nunca respondiam minhas perguntas, eram uns caras que ficavam sempre de cara feia e nunca falavam nada. Quando completei onze anos recebi a carta de Beauxbatons e, para minha surpresa, Gui também iria para a Academia, mas agora como professor. Eu tinha certeza de que era para ficar de olho em mim para evitar que eu entrasse em brigas, logo eu, que nunca matei uma barata, formigas sim, mas baratas não."

Suponho que tenha ficado explícito que o garoto não sabe sobre as atividades de sua família, mas isto estava prestes a terminar. As perguntas que o garoto sempre fez e nunca houveram resposta, logo seriam respondidas, mas ele teria que encontrá-las e tomando todo o cuidado para que o irmão não descobrisse que ele estava em busca da verdade.


Este perfil já foi visualizado 229 vezes. Atualizado pela ultima vez em: 16/11/2019 às 17:40:53